Terça-feira, 6 de Março de 2012

Cartas...

 

 

 

Fernando Pessoa escreveu uma carta imaginária à sua querida Ophélinha, uma carta poética que só alguém como ele, o sabia fazer. Nessa carta que terminava com reticiciências, e antecedendo essas reticiciências, o poeta escreveu … “Só nós sabemos que fingir é conhecer-se….”

 

“Carta imaginária” datada de 03 de Abril de 1920, que hoje, podia ser uma “carta virtual”, ou ainda, simplesmente um “mail”, nada como há alguns anos atrás, uma carta escrita nas folhas brancas de um papel ansioso de palavras, o envelope fechado, selo colado e marco do correio para seguir a seu destino! Bons tempos, em que não existia código postal, a expectativa da resposta na volta do correio, deixava-nos em suspense, ansiosos pela carta – resposta ou a ansiedade da resposta, que por vezes tardava ou não chegava!

Tantas cartas escritas, tantas cartas lidas, tanto sonho e tanto sorriso lido nas palavras simples, mas que traduziam sentimento e paixão… sinto saudades de “uma carta”, talvez por isso, escreva muitas “cartas imaginárias”, não como a de Pessoa, mas cartas simples, escritas por um homem simples, cartas que permanecem escritas, que arrumo na prateleira dos sonhos, que preservo no baú da memória para que nem uma só palavra se vá perder, para salvaguardar religiosamente o seu sentido.

 

Uma das incontáveis cartas...

 

Regressei ao sítio onde te conheci pessoalmente, sentei-me na mesma mesa, o mesmo ambiente morno de café ao fim do dia e senti de novo o teu sorriso, recordei aquele dia frio de Fevereiro em que algo de ti transcendeu, conhecer-te superou a minha expectativa, de como serias, como seria o teu sorriso, como seriam as reacções, a tua e a minha… e no final deste encontro, apenas isto: ter-te conhecido foi um privilégio!

 

Depois, sim depois, percorri lentamente outros caminhos, outras alamedas, algumas ladeadas de relva, sentei-me nos mesmos locais, olhei as árvores com as suas grossas raízes que foram cúmplices de nossos encontros, vi pessoas a correr de um lado para outro, uns vindos do metro, outros indo para lá, desci às entranhas de um local onde verti uma lágrima, não sei se uma ou mais, mas sei que foram sentidas, olhei a composição afastando-se sobre carris e escutei aquele estridente som metálico e fiquei ….

Afixei na memória das imagens, a tua imagem, aquela imagem afastando-se lentamente, que descia a escadaria degrau a degrau, que não tinha o sorriso de outras alturas, que expressava um olhar triste, talvez resignado, talvez confuso, mas sempre, sempre belo, e eu, não sabia como te olhar e com os olhos orvalhados de saudade… imaginei-te!

 

tags:

publicado por O Solitário às 22:06
link do post | comentar | favorito
2 comentários:
De Margarida a 13 de Março de 2012 às 13:35
Esta carta é um hino a algo que doi recordar....Pergunto-me, porque se perdem as ocasiões,de se tentar ser feliz?...será que valeu a pena?
Linda esta sua carta,virtual ou não,sente-se muita tristeza,e quem sabe até saudades do que poderia ter sido e não foi.
Alguém disse:"quem passou é porque não veio para ficar",o que não quer dizer que não se recorde com Saudade.


De O Solitário a 17 de Março de 2012 às 14:12
Margarida

Agradeço o comentário. Estas palavras apenas fazem parte de ums "carta" que começou a ser escrita há algum tempo e que não tem tempo para ser terminada!

A memória não é algo morto, mas sim, algo que se vive, que tens sons, que tem um misticismo próprio, para além de ser importante, o respeito pela memória!

Felicidade para si....



Comentar post

.sou eu....


. ver perfil

. seguir perfil

. 14 seguidores

.pesquisar

 

.Novembro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

11
12
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Parabéns!

. Parque Marechal Carmona e...

. 25 de Abril Sempre!

. CHARLES AZNAVOUR AVE MARI...

. Parabéns Margarida!

. Cascais colorido...

. Caminhando por Cascais

. Caminhando por Cascais

. Cascais...

. Paço d' Arcos

. Devagar.

. Sons do silêncio

. O Tempo Passa? Não Passa

. Caminhos...

. Janelas e Primavera em di...

. Primavera

. Poema à Mãe

. Sons de Abril!

. Grândola Vila Morena

. 25 de Abril, Sempre!

.arquivos

. Novembro 2019

. Abril 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Junho 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

.tags

. todas as tags

.visitas

online

.Visitas de Solidão

Free Web Counter
Clothing Stores
SAPO Blogs

.subscrever feeds